Sábado, 22 de setembro de 201822/9/2018
(46) 984 000 614
Parcialmente nublado
17º
25º
27º
Barracao - PR
Erro ao processar!
Seu Negócio Tri Banner topo
POLÍTICA
Moro abre prazo para alegações finais no segundo processo contra Lula na Lava Jato
Trata-se da última fase antes da sentença. Ação penal apura compra de terreno onde seria o Instituto Lula e se ex-presidente recebeu apartamento vizinho ao dele, em São Bernardo do Campo, como propina. Lula nega as acusações.
Daiane Lima Bom Jesus do Sul - PR
Postada em 15/09/2018 ás 09h38
Moro abre prazo para alegações finais no segundo processo contra Lula na Lava Jato

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas ações da Lava Jato na primeira instância, abriu, nesta sexta-feira (14), o prazo para apresentação das alegações finais no processo sobre o terreno onde seria construído o Instituto Lula. 


Trata-se da segunda ação penal contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Lava Jato, que também apura se ele recebeu o apartamento vizinho ao dele, em São Bernardo do Campo (SP), como propina. Lula nega todas acusações. 


A apresentação das alegações finais é a última fase do processo antes da sentença. 


"Encerradas a instrução ordinária e a complementar e julgadas as exceções de incompetência pendentes, a ação penal deve seguir para alegações finais", diz o despacho. 


Moro deu prazo de dez dias, após a notificação, para que o Ministério Público Federal (MPF) apresente suas alegações finais. A Petrobras, assistente de acusação no processo, tem três dias para apresentar suas alegações, após o fim do prazo do MPF. 


Depois disso, as defesas serão intimadas e terão 13 dias para apresentar suas alegações finais. 


Não há um limite de prazo para que o juiz publique a sentença.


Relembre


A denúncia referente a este processo foi apresentada em 15 de dezembro de 2016 e recebida por Moro quatro dias depois. Segundo o MPF, a Construtora Norberto Odebrecht pagou R$ 12.422.000 pelo terreno onde seria construída a nova sede do Instituto Lula. Esta obra não foi executada. 


Os procuradores também afirmam que Lula recebeu, como vantagem indevida, a cobertura vizinha ao apartamento dele, em São Bernardo do Campo. De acordo com o MPF, foram usados R$ 504 mil para a compra do imóvel. 


Lula está preso na Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba desde 7 de abril devido à condenação em duas instâncias no processo sobre o triplex em Guarujá (SP). Ele cumpre pena de 12 anos e um mês por corrupção e lavagem de dinheiro na Lava Jato. 


O ex-presidente também é réu em uma terceira ação da operação que envolve um sítio em Atibaia, no interior paulista.

FONTE: G1
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium