4°C 15°C
Barracão, PR
Publicidade

2023 foi o pior ano da reforma agrária disse Stédile, mas ministro Teixeira rebate

Em meio a briga entre o líder do MST e o ministro a culpa foi atribuída a Temer e Bolsonaro

28/12/2023 às 10h19
Por: Redação Fonte: PANTV/Marcos Prudente
Compartilhe:
Foto: Reprodução Poder 360
Foto: Reprodução Poder 360

O embate entre o ministro Paulo Teixeira, do Desenvolvimento Agrário, e o líder do MST, João Pedro Stédile, reflete a complexidade da questão agrária no Brasil, especialmente no contexto do primeiro ano do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (Lula 3). Enquanto Teixeira destaca avanços significativos na reforma agrária, Stédile expressa sua preocupação, evidenciando a necessidade de uma análise mais abrangente que vá além dos números de assentamentos.

Continua após a publicidade
Design de Marcos Prudente

Paulo Teixeira, ao rebater as críticas de Stédile, ressaltou que 2023 testemunhou o maior número de famílias assentadas desde 2015. Ele enfatiza a retomada da reforma agrária, com 7.200 famílias assentadas e a regularização de outras 40.000 em um ano desafiador, marcado por restrições orçamentárias. Teixeira destaca a modesta alocação de recursos para 2024 e aponta as estratégias para ampliar os assentamentos, incluindo a utilização de terras do Incra, áreas públicas destinadas à reforma agrária, terras de grandes devedores da União e aquelas desapropriadas para esse fim.

Continua após a publicidade
Design de Marcos Prudente

Entretanto, as críticas de João Pedro Stédile não podem ser ignoradas. Em seu balanço anual, o líder do MST reconhece a demora do governo Lula na implementação da reforma agrária, mas contextualiza a situação, atribuindo parte das dificuldades aos governos anteriores de Jair Bolsonaro e Michel Temer. Stédile argumenta que a falta de recursos, resultante do orçamento do governo passado e dos desafios enfrentados durante os anos de gestão considerados "fascistas", impactou negativamente os avanços esperados em 2023.

Continua após a publicidade
Design de Marcos Prudente

Stédile também destaca uma mudança de paradigma ao afirmar que o progresso da reforma agrária não deve ser medido apenas em hectares, mas também em ideias e conquistas políticas e sociais. Essa perspectiva sugere uma necessidade de avaliação mais abrangente, considerando não apenas a quantidade de famílias assentadas, mas também a qualidade desses assentamentos, o fortalecimento da agricultura familiar e a promoção de condições dignas de vida para os trabalhadores rurais.

Diante desse cenário, é crucial que o debate sobre a reforma agrária no Brasil vá além das disputas políticas e das cifras numéricas. É necessário considerar a efetividade das políticas implementadas, a sustentabilidade dos assentamentos, a inclusão social e o respeito aos direitos dos trabalhadores rurais. Somente assim será possível construir uma abordagem integral e justa para lidar com os desafios complexos que envolvem a questão agrária no país.

Com informações Poder 360

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Barracão, PR
15°
Parcialmente nublado

Mín. Máx. 15°

14° Sensação
1.73km/h Vento
65% Umidade
0% (0mm) Chance de chuva
07h20 Nascer do sol
05h59 Pôr do sol
Ter 16° 11°
Qua 20° 10°
Qui 21° 12°
Sex 23° 13°
Sáb 23° 14°
Atualizado às 14h01
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,46 +0,53%
Euro
R$ 5,95 +0,28%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,27%
Bitcoin
R$ 366,666,83 +10,03%
Ibovespa
129,334,46 pts 0.34%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias