domingo, 24 de março de 2019
(46) 984 000 614
Política

14/01/2019 ás 08h29

Daiane Lima

Bom Jesus do Sul / PR

Toffoli deixa para Barroso decisão sobre denúncia e novos inquéritos para investigar Temer
Em dezembro do ano passado, Raquel Dodge denunciou ex-presidente por corrupção e lavagem de dinheiro por decreto que teria favorecido empresas do setor de portos.
Toffoli deixa para Barroso decisão sobre denúncia e novos inquéritos para investigar Temer
O ex-presidente Michel Temer durante entrevista em dezembro do ano passado — Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, decidiu no sábado (12) que o pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, de enviar denúncia no caso dos portos contra o ex-presidente Michel Temer para a primeira instância e abrir cinco novos inquéritos contra ele, deve ser analisado pelo relator do caso após o recesso do Judiciário.


Michel Temer foi denunciado no caso dos portos por corrupção e lavagem de dinheiro quando o STF já tinha entrado em recesso, no dia 19 de dezembro. Por isso, os pedidos de Dodge – para que Temer respondesse na primeira instância a partir de 1º de janeiro e para instaurar cinco novas investigações – ficaram com Toffoli.


Toffoli considerou que não há urgência que exija decisão da presidência do STF durante o recesso. O caso será analisado pelo ministro Luís Roberto Barroso, relator do caso, a partir de fevereiro.


Outras duas denúncias e uma investigação contra Temer, que estão nas mãos do ministro Luiz Edson Fachin, também devem ir para primeira instância a partir de fevereiro, quando o recesso terminar. Michel Temer não pode mais responder no Supremo porque perdeu o foro privilegiado.


O ex-presidente foi denunciado por corrupção no caso da mala de R$ 500 mil recebida da JBS por Rodrigo Rocha Loures e por ser supostamente líder de quadrilha do MDB que fraudava estatais, mas a Câmara barrou o prosseguimento dos dois processos no STF.


Temer também é investigado por suposto recebimento de propina da Odebrecht. Nesse caso, Dodge não denunciou Temer por entender que ele não poderia ser acusado por fato cometido fora do cargo e que a análise caberia à primeira instância quando o mandato terminasse.

FONTE: G1

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium